Três Relevos, orquestra de sopros, 10’

Três Relevos (2017)

Orquestra de Sopros

Picc., 3Fl., 3Ob., 3Bn., Eb Cl., 2Bb Cl. Bs. Cl., 2Alt. Sax. Ten. Sax., Bar. Sax., 4Hn., 3Tpt., 3Tbn., Tba., Db., Timp., Vib., 3Perc.

I. Escarpas ; II. Colinas ; III. Planícies                                 

10’

Obra selecionada pelo XVIII Panorama da Música Brasileira Atual e estreada em 27/11/2016 pela Orquestra de Sopros da UFRJ, Regência de Marcelo Jardim, Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro.

Nota de Programa:

Três Relevos se inspira em três diferentes geomorfismos e cargas expressivas associadas a eles. Os movimentos são executados sem separação. Escarpas aqui são repetitivas, cheias de declives e bordas que as limitam. Nas colinas terminam os pontais bruscos, as elevações são mais lineares gradualmente ascendem. As planícies aonde se chega são planas mas varridas pelos ventos, daí a agitação estática. A obra é um tipo de pintura destes cenários.

Acácio Piedade

Audio: gravação da estréia

Ouça também  Escarpas, uma versão do primeiro movimento de Três Relevos, para Banda de Sopros, executada pela Banda Mogiana (Festival Música Nova 2016), sob a regência de José Gustavo Julião de Camargo.